quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Temo, um dia

 

 

Temo, um dia,

que o coração deixe de ser criança,

e que os sonhos se acabem, e a esperança se finde,

e os motivos para sorrir deixem de acontecer.

 

Temo, um dia,

que o coração se torne adulto, e

tudo o que eu adoro, deixe de adorar, e

tudo o que eu sinto, deixe de sentir, e

tudo o que me faz feliz, me faça chorar, e

tudo o que me faz querer ficar, se torne em motivo p'ra partir.

 

Temo, um dia, que o coração se apequene…

deixe espaço no peito,

guarde demasiados restos do que podia ter sido, e

não acredite mais no que pode vir a ser.

 

Temo, um dia, que eu,

tão crescida, deixe de ser criança.

É que ser criança é ser a simplicidade de viver.

E ser adulto é muitas vezes a desculpa

para já não sonhar.

 

*

 

“Lá, dos tempos em que só escrevia para mim, e para mais ninguém…”

 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilha comigo a tua teoria.