segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Um Céu Azul à Minha Espera

 

Dei comigo perdida em pensamentos, lembranças e sonhos.
Tantas. Tantas coisas que tinham feito sentido.
Senti de súbito cansaço.
Um cansaço tão forte, tão grande, tão pesado que
julguei ter-me sido colocado o mundo sobre os ombros.
Mas era só, apercebi-me, o meu mundo sobre os meus ombros…

Um par de coisas que tinha feito no passado,
um alguém que havia amado,
um projeto que tinha abraçado. Sei lá.
Tantas coisas…

Mas, há um grito que me arranca de mim própria.
É como um suspiro que ficou esquecido algures no meu fundo ou,
um momento que vai do riso às lágrimas, sem que eu saiba porquê;
sem que eu entenda porquê.

Estou cansada e a vida, pesa-me aos ombros.
Ainda há um adeus que deixei por dizer,
um amo-te que morre sem que o possa contar.

Há um abraço que preciso p'ra me fazer sorrir,
uma ausência demasiada p'ra me fazer chorar.

Estou cansada e suspiro por fim, um poema.
Só mais um grito de quem coleciona estrelas
que me lembram a cada estremecimento de dor,

que há, mesmo sendo longe,
um céu azul onde tanto quero chegar, e
há, um repousar seguro, p’ra me lembrar que todo o cansaço
é um tanto de vitória, pela coragem de não me deixar desistir.

 

*

 

Rabiscos do Pensamento

 

·         É pelas frestas do esforço que vemos muitas vezes mais um pouco da razão que nos alimenta a coragem p'ra continuar.

 

·         Os sonhos são o escape da alma, face a realidade. A realidade, é o tempo de que dispomos para realizar os sonhos.

 

·         Tatuamos muitas vezes a alma com sonhos, para que a realidade não seja tão sem cor.

 

*

 

1 comentário:

  1. Anónimo10:57:00

    Tinha que ter um amo-te pelo meio! Eu bem te tinha dito....

    Rui

    ResponderEliminar

Partilha comigo a tua teoria.