sábado, 25 de outubro de 2014

Mergulho no Escuro

 

Olho o espelho presente.

A ausência refletida nos meus olhos

Dita a sentença de todas as perdas.

De súbito, o passar dos anos parece-me tão descabido.

É que de tudo o que me trouxeram, pouco me preenche - nem mesmo tu,

que não me sobraste.

 

Vejo marcas no rosto, refletidas.

Ah, e a dor, estampada nos olhos;

e as lágrimas, atrevidas, brilhantes

aos cantos dos olhos – olhos que já

não te vêm; já não te trazem ao ~meu peito.

 

E o espelho, calado, soturno,

reflete o silêncio sisudo que deixaste.

É como um mergulho no escuro, que mergulho

friamente, à procura de não sentir a falta

de quem a lembrança presente não me

devolve, por nada.

 

Juro todos os dias que:

a próxima noite será a última

que te lembro, que te permito voltares ao meu lado.

Mas… Nem a próxima noite é a última,

Nem os dias que faço promessas

são iguais, como iguais

não são os olhos que se

refletem no espelho, inundados de uma ausência de ti

que nenhum amor no mundo consegue justificar.

 

Porque nenhum amor no mundo consegue justificar a dor

de não se poder amar quem nunca se quis perder.

 

 

*

 

 

2 comentários:

  1. Quando a ausência dói... A noite volta sempre...

    ResponderEliminar
  2. Anónimo10:32:00

    Francamente Bom, especialmente as 3 primeiras estrofes, na minha opinião!

    Força para noite de sábado no próximo fds

    Rui

    ResponderEliminar

Partilha comigo a tua teoria.