sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Como a Àgua que Corre

 

 

Como a água que corre, vou…

Sem destino, sem volta, sem porto ou planos de voltar - apenas vou,

de mãos nos bolsos, coração ao lado, olhar perdido.

Mapas não tenho, curso não sigo,

apegos não quero; porque viver

no desapego é mais seguro e

viver por viver faz agora, cada vez

mais sentido.

 

Como a água que corre, corro,

sem rotas, sem planos e apenas um

leito para poder em fim morrer,

à hora certa. Quando

o fim for a foz dos meus dias e

 a vida, não for mais nada do que aquilo que deixaram para mim – um rio

de sonhos e lembranças, que nem

a esperança faz com que baste p’ra ser feliz.

 

Se na água que corre me vires afundada,

não chores, que a vida

promete tanto mas é madrasta e os meus

medos e sonhos, tu sabes,

de pouco serviram ao fim de contas.

E nem os versos que escrevo são mais que pedaços

de tanto que quis ser, mas nunca fui;

de tanto que quis ver, mas nunca vi;

de tanto que quis ter, mas nunca senti.

 

Vou ao sabor da água deste rio que corre e,

não volto;

porque o que lá vai foi o tempo de antes e já não importa.

E eu, não sou tão forte como esperam que seja; e o horizonte

que me vês no rosto é tudo o que me faz

ainda ter vontade p’ra partir sem rumo,

rumo a um mar distante, onde

se afogam as lágrimas que já não choro, por não ser capaz de ficar aqui,

onde deixo todas as amarras e todos os motivos

que um dia deram sentido aos dias que passei

contigo, solidão – p’ra quem escrevo,

mas não sei, se pela última vez.

 

 

*

 

8 comentários:

  1. Lindo poema, Joana Rita!....encantas quem te lê! Bjs :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grata Querida Rosário... fico muito feliz que gostou. Um beijinho :)

      Eliminar
  2. Uuuaaauuu!
    Concordo com a Rosário! Encanta! Mas mais encantado estou por estar
    no AP! Vou fazer proposta ao Grupo para que a sigla passe a ser:
    AP - e Poetas, Lª! Como se diz na minha Terra! Cada cavadela uma minhoca! Abraceijos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, Estimado João, fico-lhe grata pelas palavras! E eu também me sinto imensamente contente por estar no AP. Forte abraço e um beijinho :)

      Eliminar
  3. Não sei fazer poemas mas adoro ler e ouvir declamar, e este poema para mim é de facto muito bom. parabéns Joana. bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada Manuel pela leitura, e pela apreciação... Fico-lhe verdadeiramente grata. BJS :)

      Eliminar
  4. Pela costa ficam e dela levamos tanta coisa. Talvez não sejamos tanto aquilo que o verso diz, mas vamos sendo de tudo pelo caminho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida Poeta da Colina. Grata pelo comentário sábio e inspirador. :)

      Eliminar

Partilha comigo a tua teoria.