domingo, 15 de setembro de 2013

Vazio - (Poema ou Desabafo, Tanto Faz)


Estou tão vazia, tão fria,
tão insípida, tão sem cor.

Levaram-me a vida, a alma – se é que a tive;
e levaram-me a crença num amanhã que era p’ra vir, sei lá.

Estou tão vazia, mais amarga,
mais só corpo que outra coisa qualquer.

A vida foi-se-me no tempo de ontem e, o que hoje me resta,
é o resto de um ser sem ser, que tem o meu nome e
a fisionomia, que se apagará,
quando mais nada sobrar
p’ra dizer sobre mim.

                    *                  


28-11-2011. In O Meu Mundo do Avesso.
É uma das exceções poéticas adicionadas a esta coleção, cuja proza é o estilo predominante, contudo, não único.


2 comentários:

Partilha comigo a tua teoria.