segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Chegaste

 

E tu chegaste de mansinho…

suave, solto, liberto.

Trazias contigo a infantilidade de quem sonha,

mas não muito, porque tem medo.

Nas mãos trazias também o sol, a saudade, e a destreza

que a vida exigia que tivesses

para sempre.

 

Pediste-me um minuto, e eu

dei-te uma vida inteira.

Parecia tão pouco, já que me prometeste ficar… e ficaste,

do teu jeito, à tua maneira.

 

Deste-me palavras, umas açucaradas,

outras nem tanto… mas,

a vida é mesmo assim.

E foi isso que me disseste, quando solene me tomaste nos braços

pela primeira vez, até hoje.

E eu lá permaneci, simplesmente

amando-te.

 

                               Fim.                     

 

3 comentários:

  1. Continua pequena Jo! Força!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada querido Tiago! :) **

      Eliminar
  2. ainda bem que escreves assim coisas lindas que sao doces na nossa memoria. adoro-te

    ResponderEliminar

Partilha comigo a tua teoria.