sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

E ...

 

E de que nos serve a ausência, se a presença não é mais do que miragem?

E de que nos servem os medos, se os desassossegos, não tem fim ou paragem?

E de que me serve o resto da história, se a memória se me falta sem saber como ou porquê…

E de que me servem os desabafos, os livros, os gritos mudos; pedaços de nada

que ninguém vê.

 

E de que me serve a saudade, o fogo gelado que me paralisa o corpo e a mente.

E para que quero o dia, a pergunta vazia, e o pranto calado?

E de que me servem as folhas brancas, os restos de alma, a falta de calma, e a ferida em sangue?

E de que  resto de mundo, que pedaço de tudo, dá a forma ao que escrevo?

E o que me dizes tu agora, meu leal desassossego?

 

E de que fim pinto o poema que se me termina nas mãos, me desafoga o peito, e grita por mim?

E de que palavras não ditas, se fazem as respostas que não mais sei de ti.

 

 

                               Fim.                     

 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilha comigo a tua teoria.