quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Quando...

 

enquanto eu viver-  será porque há tempo…

e se há tempo - terei de aproveitá-lo;

e se nesse tempo, não mais me sobrar tempo;

eu também não vou correr

para poder apanhá-lo.

 

e se há tempo;

não faltam momentos para o aproveitar.

Há tempo para viver, há tempo para sofrer...

há tempo para ganhar e tempo para perder,

há tempo para amar; e mais tempo há

para se poder morrer..

 

quando eu morrer, será porque tinha de ser;

e quando eu chorar, será porque a vida assim quis.

Quando eu sonhar, vou julgar que é algo inútil.

Quando eu acreditar, não vou querer fazê-lo.

Quando eu lutar, será por sentir revolta.

Quando eu gritar, é porque dói muito!

Quando eu amar, será porque não fugi;

e quando eu fugir, será da tristeza.

Quando eu pensar, será porque estou só.

Quando eu voltar, é porque a dor findou...

Quando me encontrar, saberei quem sou.

Quando eu cair, a queda não será aparada.

Quando eu me levantar, será por minha própria vontade.

Quando eu andar sem destino, chegarei a lugar algum.

Quando eu der a vida um sentido, que sentido será?

Não reconhecerei nenhum.

 

E quando eu entender o meu quando,

saberei que o quando não é para depois…

e saberei que nesse quando, serei somente eu - nunca o equivalente a 2.

 

E quando eu ao fim chegar;

será o tempo que me faltava…

e então quando eu desistir, é porque o tempo acabou - cheguei ao fim da estrada.

 

*

 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilha comigo a tua teoria.