domingo, 17 de julho de 2011

divagando

 

Experiência, ódio e rancor,

ódio, rancor e experiência…

Ciência, ódio e terror,

morte, terror e ciência.

 

preguiça, sono e tristeza,

sono, tristeza e preguiça…

Nobreza, paz e justiça,

paz, justiça e nobreza…

Valor, triunfo e grandeza.

 

Triunfo, grandeza e valor,

pódio, alegria e vencedor…

Alegria, vencedor e pódio,

rancor, experiência e ódio,

experiência, ódio e rancor!

 

lacuna, espaço vazio,

espaço vazio, e lacuna…

Frio, maldade e fortuna.

Maldade, fortuna e frio,

falência, medo e arrepio...

Medo, arrepio e falência!

 

Sorrir, amor e conveniência,

conveniência, sorrir e amor…

Sorrir, espinhos e dor,

ódio, rancor e experiência!

 

Lucidez, cansaço e frescura,

cansaço, frescura e lucidez…

Fartura, miséria e embriaguez…

miséria, embriaguez e fartura!

 

humor, simpatia e finura,

simpatia, finura e humor…

Forte, imbecil e traidor,

imbecil, traidor e forte,

terror, ciência e morte…

Ciência, morte e terror!

 

bares, drogas e degradação,

drogas, degradação e bares…

Confusão, almoços e jantares,

almoços, jantares e confusão!

 

eminência, profeta e vilão,

profeta, vilão e eminência…

Terra, mundo e resistência,

mundo, resistência e terra,

crime, maldade e guerra…

Morte, terror e ciência!

 

                               Fim.                     

 

 Uma brincadeira de palavras…

 é como a descoberta da fórmula certa, para um alquimista das letras, dos versos, das rimas.

podemos multiplicar, somar, dividir, ou subtrair também na poesia. é preciso deixar a alma correr livre, soltar-se e criar.

1 comentário:

  1. Uma jogada de palavras, que parecem estar distribuídas ao acaso, mas que de acaso não têm nada! Brilhante!

    ResponderEliminar

Partilha comigo a tua teoria.